quinta-feira, 31 de outubro de 2013

CORDEL SOBRE A SECA

NORDESTINO SOFRIDO PELA SECA

DO SERTÃO GOSTO DE FALAR
ESCRITO EM FORMA DE CORDEL
NAS LINHAS DESSE PAPEL
COLOCO MEU VERSEJAR
FALANDO DA MINHA TERRA
MEU CORAÇÃO LOGO BERRA
VOCÊ PODE ATÉ ESCUTAR
FALO DA ESTIAGEM
QUE ACABA A PAISAGEM
AQUI DO MEU LUGAR

SOU NORDESTINO AFAMADO
CABOCLO DA PELE GROSSA
COMIGO NÃO HÁ QUEM POSSA
CORRENDO NO MATO FECHADO
DEVOTO DE FREI DAMIÃO
DO PADRE CÍCERO ROMÃO
GOSTO DA FESTA DE GADO
DESDE CRIANÇA VAQUEIRO
CORRENDO NO TABULEIRO
EM MEU CAVALO MONTADO

JÁ DIZ O VELHO DITADO
"ÁGUA MOLE EM PEDRA DURA
TANTO BATE ATÉ QUE FURA"
COMO MACHADO AFIADO
ASSIM É O GRANDE JATÃO
NÃO ARREDO PÉ DO SERTÃO
MESMO ELE ASSIM RESSECADO
SEM ÁGUA E SEM ALIMENTO
É GRANDE O SOFRIMENTO
O FARDO É MUITO PESADO

É TRISTE O DIA AMANHECER
SEM OUVIR BEZERRO BERRAR
DO CURRAL SÓ ESCUTAR
A PORTEIRA A RANGER
ABERTA ESCANCARADA
POR FALTA DA INVERNADA
QUE FAZ O GADO MORRER
MAIS SOU QUE NEM JUMENTO
MESMO COM ESSE TORMENTO
ESCOLHI AQUI PRA VIVER

O GALO DE CAMPINA SOME
A SERIEMA VAI EMBORA
NÃO FICA AQUI NEM CAIPORA
POR FALTA D'ÁGUA E FOME
ENTRISTECE A PLANTAÇÃO
SOME DO AÇUDE O CARÃO
SEM TER COMO MATA-FOME
ATÉ GALINHA DO TERREIRO
O GALO VELHO DO POLEIRO
SUMIU DA RAPOSA QUE COME

UM DIA JESUS VAI ESCUTAR
AS PRECES DESSE ROMEIRO
QUE DEBAIXO DE UM JUAZEIRO
REZA E VIVE A SUPLICAR
PELA CHUVA NO SERTÃO
PARA MOLHAR ESSE CHÃO
E O PASTO PODER BROTAR
ACABANDO COM A FOME
A SEDE QUE NOS CONSOME
E O CALOR DESSE LUGAR

A VIDA NO SERTÃO
NÃO É FÁCIL MEU SENHOR
NA SECA É UM HORROR
CHEIA DE PRECISÃO
CHORA A FAMÍLIA INTEIRA
POR NÃO VER NA PRATELEIRA
ARROZ, MILHO E FEIJÃO
FALTA ATÉ A QUALHADA
JANTA DA MOLECADA
QUE VIVE NESSE TORRÃO

“MAIS NÓS SEMO INSPRITADO
QUE NEM PREÁ DE BAXI
QUE NEM NÓS, NUNCA VI
HUMILDE, PORÉM ARRETADO
NÓS SOFRE QUE NEM A PESTE
MAIS NUM LAIGA O NORDESTE
SÓ SE FOR PRA SER ENTERRADO
MERMO ASSIM NO CAXÃO
BRIGO ATÉ COM O CÃO
PRA NÃO SER EMBURACADO
NÃO QUERO DEIXAR O SERTÃO
ESSA É A MORADA DE JATÃO
NASCI AQUI E FUI CRIADO”

TEXTO: JATÃO VAQUEIRO

3 comentários: