NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Loading...

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Quando é seco no meu sertão

 Ao Divino Pai Eterno
Peço agora inspiração
Pra falar da grande seca
Que castiga meu torrão
 Grande é tua bondade
E com naturalidade
Seguirei meu coração
 
Tudo se torna um tormento
Se não chove no sertão
Secam açudes e riachos
Fazendo rachar esse chão
A lavoura não floresce
E o nordestino padece
Por falta de água e pão

É triste vê uma criança
Comendo mandacaru
Quando perde a esperança
O pai foge como nambu
Vai embora desse chão
Em busca de solução
Nas terras lá do sul

A fome se manifesta
Por falta de chão molhado
Não tem milho pra galinha
Nem pasto verde pro gado
Os sertanejos padecem
E às vezes até falecem
De tanto ser flagelado

Vê-se uma mãe que chora
Com seu filhinho no braço
Sem nada que lhe consola
Sente o maior fracasso
Se sentindo abandonada
Triste e envergonhada
Pede ao pai da criação
"Oh! Jesus faça defesa
Chora toda natureza
Quando é seco meu sertão"

O sertanejo é um forte
Resistente à seca cruel
A chuva que lhe conforte
Ele pede ao Pai do céu
E cobra as autoridades
Políticos das cidades
 Recursos para população
Sem discurso e safadeza
Porque chora a natureza
Quando é seco no sertão

 Se fala em Umarizal
Numa tal de conab
Na política era a tal
Hoje isso ninguém sabe
Se tem milho para o gado
Ou se era só agrado
Na época de eleição
E continua a tristeza
Chorando a natureza
Quando é seco no sertão

                   Texto: Jatão Vaqueiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário